PALAVRAS AO MAR

Mar, belo mar selvagem ...

Das nossas praias solitárias! Tigre

A que as brisas da terra o sono embalam,

A que o vento do largo eriça o pêlo!

Junto da espuma com que as praias bordas,

Pelo marulho acalentada, à sombra

Das palmeiras que arfando se debruçam

Na beirada das ondas - a minha alma

Abriu-se para a vida como se abre

A flor da murta para o sol do estio.

Só a leve esperança  ...

Só a leve esperança em toda a vida

Disfarça a pena de viver, mais nada;

Nem é mais a existência, resumida,

Que uma grande esperança malograda.

 

O eterno sonho da alma desterrada,

Sonho que a traz ansiosa e embevecida,

É uma hora feliz, sempre adiada

E que não chega nunca em toda a vida.

VELHO TEMA

Trechos de Poemas

valor. cuidados de qualidade. conveniência.

Vicente de Carvalho Poeta Parnasiano Parnasianismo Verso Poesia Bertioga Contista Brasileiro Santos Literatura Cidade Ardentias Relicário Rosa Amor Poemas Canções Prosa Luisinha Sinos Páginas Soltas Conto Contista, Juiz, Jurista, Advogado, Indaia Santos Praia Fluvial